Entomologia

Os insetos pertencem ao:

  • Reino Animal
  • Sub-reino Metazoa
  • Divisão Bilateria
  • Grupo Eucelomata
  • Filo Arthropoda
  • Classe Insecta

 De maneira mais resumida podemos citar os insetos como Reino Animal, Filo Arthropoda, Classe Insecta.

Entomologia  

Entomologia - é a ciência que estuda os insetos sob todos os seus aspectos e relações com o homem, as plantas e os animais. A entomologia é proveniente da união de dois radicais gregos entomon = inseto e logos = estudo e vem sendo empregada desde Aristóteles.

Histórico

O conhecimento que o homem tem sobre os insetos e bastante antigo, havendo uma série de pinturas e esculturas  sobre insetos nos monumentos do Egito antigo. Entre eles destacavam-se as abelhas  e os escaravelhos. Além destes os gafanhotos são citados no Antigo Testamento como a décima praga que atingiu o Egito durante a escravidão dos Hebreus. Porém como ciência a Entomologia só ganhou impulso com Aristóteles (384-322 A.C), que escreveu o resumo mais fiel sobre os insetos daquela época.

Depois de Aristóteles, vieram os romanos, cuja principal preocupação eram as guerras e não a ciência. Após a queda do Império Romano a Inquisição da Idade Média tratou de obscurecer de vez os conhecimentos científicos, e assim foi até a Renascença, período da história da humanidade, caracterizado pela renovação científica, artística e literária, realizada nos séculos XV e XVI.

Nos períodos precedentes, ocuparam-se os entomologistas principalmente com a observação dos fatos e a criação de uma classificação. Sendo que a partir do início deste século as pesquisas visam o conhecimento dos grandes fundamentos biológicos, descobertos no século passado.

No Brasil, as pesquisas com entomologia iniciaram-se em meados do século passado com vários pesquisadores estrangeiros, sendo que neste século são inúmeras as pesquisas realizadas por centenas de cientistas que se dedicam a entomologia.

Especificamente no campo florestal, a entomologia ganhou força a partir da implantação dos primeiros reflorestamentos na década de 60,  passando a fazer parte da área de pesquisa florestal denominada Proteção Florestal, que compreende o estudo e a prevenção dos incêndios, doenças e pragas florestais.

Os Insetos e os seres vivos

Os insetos vivem na terra a 300 milhões de anos.
O homem vive a 1 milhão de anos.
Reinos Vegetal + animal = 1.500.000 espécies.
Classe Insecta = 815.000 espécies, ou seja:

55% dos seres vivos
72% dos animais

Características dos insetos  

Tamanho - Frações de mm até 30 cm
Corpo - Dividido em cabeça, tórax e abdômen
Respiração - Traqueal
Desenvolvimento - Direto nas ordens primitivas (Thysanura e Collembola), com metamorfose nas outras ordens
Metamorfose completa = ovo - larva - ninfa - pupa - adulto

Razões para o sucesso dos insetos  

Segundo PANIZZI & PARRA (1991), não seria exagero sugerir que os insetos são os maiores competidores do homem pela hegemonia na terra, pois historicamente o homem sempre conseguiu dominar a maioria e,  mesmo,  extinguir alguns dos animais terrestres. Porém os insetos como grupo, permanecem como a única barreira biótica ao domínio total do homem, visto que a capacidade adaptativa dos insetos e amplamente conhecida. Além disso, os insetos ao longo dos milênios passaram por várias transformações que permitem a sua adaptação aos mais variados ambientes, entre elas podemos destacar as seguintes:

  • Exoesqueleto, permite aos insetos uma grande área de inserção muscular, facilita o  controle da evaporação e protege os órgãos internos.
  • Asas funcionais, fornecem aos insetos a capacidade de deslocamento, facilitam a procura de alimentos, facilita a fuga dos inimigos naturais e facilita a dispersão.
  • Tamanho pequeno, faz com que os insetos necessitem de pouco alimento, facilita a fuga, porém o fato de serem pequenos faz com a superfície total do corpo seja muito maior que o volume, aumentando a evaporação do corpo o que consiste numa desvantagem.
  • Metamorfose completa, o fato de passarem por vários estágios faz com que os insetos possam viver em diferentes hábitats, permite a larva e ao adulto viverem em condições totalmente diferentes.
  • Aumento do número de espécies, a grande capacidade de adaptação dos insetos aos mais variados ambientes fez com que o número de espécies se elevassem tanto que hoje eles ocupam praticamente todos os ambientes.

Importância dos Insetos como Grupo de Animais e suas relações com o Homem

Segundo ZUNDIR & MIYAZAKI (1993), desde os primórdios da humanidade, os insetos estiveram de uma maneira ou de outra relacionados com o homem, ao ponto de se poder afirmar que a sobrevivência do homem depende do equilibro deste grupo de animais, pois e de conhecimento público que o maior inimigo dos insetos são os próprios insetos,. Sendo assim o desequilíbrio de uma parte do sistema formado pelos insetos, pode afetar vários setores da nossa sociedade como a produção agrícola e florestal, além de desencadear uma série de doenças como a malária.



Insetos e suas utilidades para o ser humano

Produtos úteis dos insetos

São os produtos originados de uma produção direta como cera, seda, laca, mel e muitos outros.

Seda

O fio da seda provém da saliva da larva de Bombyx mori, o bicho da seda, que vem trabalhando para o homem a mais de 35 séculos, sendo que por mais de 2.000 anos apenas os chineses conheciam o bicho-da-seda, impedindo a sua saída da China, com penas severas quem tentasse contrabandea-los, até que em 555 d.C. dois monges levaram alguns casulos para Constantinopla. No ano de 1740 a atividade já estava difundida em toda Europa, chegando ao Brasil em 1848.

Atualmente o comércio mundial de seda supera os 500 milhões de dólares anuais, o que corresponde a mais de 35 milhões de Kg. de seda, que são produzidos por mais de 200 milhões de larvas. Para a produção de um Kg. de seda são necessários seis mil casulos.

Produtos de abelhas

Os produtos mais importantes, de uma colônia de Apis mellifera são: mel; cera; propólis; e geleia real. como subprodutos temos ainda o pólen e o veneno das abelhas que é empregado para combater artrite e reumatismo.

As atividades dentro de uma colmeia são intensas. Uma colmeia pode ter mais de sessenta mil abelhas, sendo que para a produção de um Kg de mel são necessárias entre oitenta e cento sessenta mil viagens a uma infinidade de flores. Para a produção de cera são necessários cerca de 6 Kg de mel para a produção de um Kg de cera, que é utilizada para a fabricação de velas, sabonetes, cremes, polidores, papel carbono, produtos elétricos e outros.

Laca

Este produto é originário da secreção do inseto Lacifer lacca, que vive em árvores nativas florestais da Ïndia, Burna, Indochina, Formosa, Ceilão e Filipinas.  Utilizada na fabricação de vernizes e polimentos, além de acabamento de madeiras, isolante elétrico, graxa para sapatos, discos fonográficos, etc. Anualmente são coletadas de 20 a 40 milhões de Kg de laca. Para a obtenção de um Kg de laca são necessários trezentos mil insetos.

Luz sem calor

Só dois por cento da energia de uma chama de gás é luminosa; da luz solar somente 35% da energia é luminosa. Na luz sem calor dos vaga-lumes, o aproveitamento da energia luminosa é de 92 a 100%, praticamente sem perda de energia calorifica ou ultravioleta.

Polinização

Muitas plantas dependem dos insetos, este tipo de polinização (feita pelos insetos) é conhecido como entomofilia, sendo que os principais polinizadores são os Himenópteros do grupo Apoidea, conhecidos genericamente por abelhas. Além deles existem outros insetos como moscas, mariposas e alguns besouros.

Outros produtos

Insetos de importância médica, existem muitas crendices populares em relação ao poder de cura dos insetos, porém existem alguns insetos que realmente são de importância medica fornecendo várias substâncias que podem ser utilizadas como medicamentos.

Insetos como alimento, muitos animais tem nos insetos uma importante fonte de alimento, não se excluindo o homem que em muitos lugares mata sua fome consumindo insetos. Existindo inclusive algumas receitas como a do doce de gafanhoto, que tem como ingredientes: 2 xícaras de açúcar; 2/3 de xícara de nata; 1 pitada de sal; 1 colher de sopa de manteiga; 1 colher de chá de baunilha; 60 gramas de chocolate amargo; meia xícara de gafanhoto torrado.

Parasitas e predadores, por sua grande capacidade de reprodução e adaptação os insetos formam grandes populações, e a maneira mais fácil de combate-los e deixar a natureza agir, através dos parasitas e predadores. Os predadores são em geral grandes e muito ativos e apresa, geralmente e menor e mais fraca que o predador, os parasitas vivem do hospedeiro que geralmente é maior e mais forte. .

Controle de plantas, o controle que os insetos exercem sobre as plantas é muito grande. Certas plantas certamente iriam competir e dominar determinados ambientes se não fosse a ação de uma série de insetos que controlam o crescimento destes vegetais muitas vezes sem que o homem perceba.

Insetos como degradadores, vários insetos auxiliam a degradação de plantas e animais, auxiliando na limpeza do solo.

Insetos e seu valor estético, as borboletas certamente são os insetos mais apreciados pelo homem. Despertando a imaginação de vários artistas, que criam pinturas, poemas, fábulas e músicas utilizando os insetos como enredo.

Importância científica dos insetos, os insetos contribuem para o aperfeiçoamento de várias ciências, principalmente para o conhecimento da Citologia e da Genética.

Insetos nocivos

  • Danos às plantas
  • Vetores de doenças para as plantas, animais e para o homem
  • Insetos parasitos do homem e dos animais
  • Insetos venenosos
  • Insetos que atacam produtos armazenados

Ordens da Classe Insecta de Interesse Florestal

As ordens de interesse florestal são

Ordem Neuroptera (Formiga Leão)

Hábitos

Maioria terrestre
Ovíparos Postura na areia ou solo
Alimentam-se de outros insetos Importância

São benéficos, pelos hábitos predatórios.

Ordem Homoptera (Cigarras)

Hábitos

Exclusivamente fitófagos, alimentando-se da seiva vegetal
Ovíparos
Postura sobre folhas, galhos ou internamente nos tecidos das plantas
Importância

Prejudicam o desenvolvimento da planta, sugando a seiva, além de ferirem os tecidos vegetais, promovendo a ação de patôgenos.

Ordem Hemiptera (Percevejos)

Hábitos

Maioria terrestre
Alimentam-se de seiva vegetal (fitófagos), sangue (hematófagos) e insetos (predadores)
Ovíparos
Postura sobre galhos ou folhas
Importância

Danificam as plantas, sugando a seiva e os cloroplastos
Abrem caminho para os patôgenos transmissores de doenças ao homem
Benéficos ao homem por seus hábitos predatórios (algumas espécies)

Ordem Orthoptera (Grilos, Gafanhotos, Esperanças, etc.)

Hábitos

Fitófagos (alguns são predadores)
Vivem no solo ou em galerias
Vivem solitariamente ou agrupados
Produzem sons
Ovíparos
Postura no solo, sobre folhas ou galhos secos

Importância

Devoram as folhas e os tecidos jovens das plantas

Ordem Diptera (Moscas, Mosquitos, Pernilongos)

Hábitos

Podem ser ectoparasitas de aves ou parasitas de outros insetos, mas a maioria alimenta-se de matéria orgânica vegetal e animal em decomposição
As larvas ocorrem em quase todos os tipos de habitats
Em geral são ovíparos
Postura próxima ou sobre o alimento
Importância

Transmissão de doenças
Danificam uma grande infinidade frutos
Parasitam insetos prejudiciais a florestas

Ordem Isoptera (Cupins)

Hábitos

Alimentam-se de madeira, papel e outros produtos vegetais
Vivem subterraneamente ou acima do solo
Vivem em colônias divididas em castas (operários, soldados, reis e rainhas)
Reis e rainhas são os reprodutores

Importância

Provocam danos em madeira beneficiada (móveis, tábuas, compensados, construções, etc.), também danificam a raiz e o colo de árvores vivas.

Isopteros de interesse florestal:

Família Kalotermitidae
Cryptotermes brevis - atacam móveis

Família Rhinotermitidae
Coptotermes spp. e Heterotermes spp. : atacam Pinus spp, Eucalyptus spp., Araucaria anfustifolia e outras plantas

Família Termitidae
Constróem ninhos arborícolas
Anoplotermes spp. : atacam Pinus spp., Eucaluptus spp. e outras plantas

Ordem Hymenoptera (Formigas, Abelhas, etc.)

Hábitos

Vivem solitários ou em colônias
Alimentam-se de fungos, néctar, pólen e outras substâncias vegetais
Ovíparos
Na maioria, a fecundação determina o sexo

Importância

Produção de mel
Desfolha de essências florestais e culturas agrícolas
São os mais ativos parasitas e exercem um papel de extrema importância no controle biológico
Hymenopteros de insteresse florestal:

Família Apidae
Apis Mellifera - produção de mel e polinização.

Família Formicidae
Atta spp. e Acromyrmex spp. - Formigas cortadeiras

Família Siricidae
Sirex noctilio - Vespa da madeira

Ordem Coleoptera

Hábitos

Sua alimentação e extremamente variada, praticamente comem tudo, exceto sangue, tem peças bucais mastigadoras
São encontrados em praticamente todos os habitats, a maioria são alados, podem viver sobre a vegetação, superfície do solo ou no seu interior, outros são aquáticos ou semiaquáticos
Importância

São importantes pragas de produtos armazenados, de plantas agrícolas e florestais, de madeira estocada, móveis e outros materiais.

Coleópteros de interesse florestal:

São vários os coleópteros de interesse florestal, abaixo são citadas apenas as principais famílias e espécies:

Família Anobiidae
Anobius spp. (broca de madeira e móveis)

Família Lyctidae
Lyctus spp. (broca de madeira)

Família Chrysomelidae
Costalimaita ferruginea (ataca as folhas de Eucalyptus spp, tanto no estágio de larva como de adulto)

Família Curculionidae
Naupactus spp. (Folhas de Eucalyptus spp. e acículas de Pinus spp.)
Gonipteros spp. (Folhas de Pinus spp.)

Família Cerambycidae
Oncideres spp. (broca de bracatinga, Ácacia negra, Eucalyptus spp., e outras plantas)

Família Scolytidae
Xyleborus spp., Hypothenemus spp. - (broca de Eucalyptus spp, Pinus spp., e outras plantas)

Família Cerambycidae

São conhecidos pelo nome vulgar de serrados ou serra-pau devido ao hábito que algumas fêmeas tem de serrar galhos por ocasião da postura. Todas as larvas desta família atacam troncos e galhos tanto de árvores em pé quanto de toras recém cortadas. O gênero Oncideres e considerado a principal praga da Acácia Negra e tem causado prejuízos em povoamentos de bracatinga.
Para seu controle pode ser feita a catação manual e queima dos ramos cortados, porém o mais viável e a abertura de valas com a colocação dos galhos em seu interior, sendo posteriormente cobertos com tela fina, permitindo assim a ação dos inimigos naturais dos besouros e um maior equilíbrio biológico.

Família Scolytidae

Esta família compreende besouros muito pequenos, que causam sérios danos às essências florestais. A maioria das espécies ataca árvores em pé, ou recém cortadas, algumas atacam madeira beneficiada outras são brocas de sementes.
Tanto adultos como larvas são daninhos as plantas, algumas espécies alimentam-se de fungos (como as formigas e a vespa da madeira), que são depositados no interior da árvore no momento da postura, a proliferação deste fungo torna a madeira azulada, sendo posteriormente perfurada pelas larvas.
O controle químico destes insetos e inviável economicamente, sendo o monitoramento das florestas com o uso de armadilhas etanólicas a medida mais recomendável. Em casos de infestação em toras ou em madeiras cortada deve-se observar um tempo de estocagem mínimo em campo ou no pátio de madeiras.

Ordem Lepidoptera

Hábitos

Noturno ou diurnos
Adultos alimentam-se de néctar ou não se alimentam
As larvas alimentam-se de folhas, frutos, sementes ou madeira de troncos
Ovíparos
Postura sobre plantas

Importância

Produção de seda (Bombix mori)
Grande maioria com hábitos fitófagos e muito vorazes
Famílias de interesse florestal:
Família Arctiidae
Família Geometridae
Família Noctuidae
Família Saturniidae 

BIBLIOGRAFIA
  • BORROR, D.J & DELONG, D.M. Introdução ao Estudo dos Insetos. São    Paulo - SP. 1988 - Editora Edgard Blu Ltda. 635 p.
  • BUZZI, Z. J.  Introdução ao estudo da entomologia geral. Curitiba - PR, 1978.
  • CARRANO MOREIRA, A. F. Entomologia Florestal. Universidade Rural de Pernambuco. Recife - PE, 1983.
  • CARRERA, M. Entomologia Para Você. São Paulo - SP. 1980 - Editora Nobel. 185 p.
  • FROEHLICH, G.; CORRÊA, D. D.; SCHLENZ, E. Zoologia Geral. São Paulo - SP. 1984 - Editora Nacional. 816 p.
  • GALLO, D. & OUTROS. Manual de Entomologia Agrícola. São Paulo - SP. 1988. Editora Agronômica CERES Ltda. 272 p.
  • MARANHÃO, Z. C. Entomologia Geral. São Paulo. 1977 - Editora Nobel. 514 p.
  • MARQUES, E. N. Índices faunísticos e grau de infestação por Scolytidae em madeira de Pinus spp. Tese de doutourado do Curso de Pós-Graduação em Engenharia Florestal. Curitiba - PR, 1989.
  • PANIZZI, A. R.; PARRA, R. P. (editores). Ecologia nutricional de insetos e suas implicações no manejo de pragas. São Paulo - SP, 1991. Editora Manole Ltda. 359 p.
  • PEDROSA-MACEDO et al. Manual de pragas em florestas. Volume 2 - IPEF/SIF, 1993.
  • SANTOS, E. Os Insetos. Belo Horizonte - MG. 1982 - Editora Itatiaia Ltda. 203 p.
  • SOUSA, N. J. Avaliação do uso de três tipos de porta-iscas no controle de formigas cortadeiras, em áreas preparadas para a implantação de povoamentos de Pinus taeda L. Dissertação de Mestrado do Curso de Pós-Graduação em Engenharia Florestal. Curitiba - PR, 1996.
  • ZANUNCIO, J. C. Manual de pragas florestais. Volume I - IPEF/SIF, 1993.