Controle de Pragas e Doenças

Pesquisa de Caio Kanabushi - Graduando em Eng Florestal

       As pragas e doenças são causadores de muitos prejuízos em plantas ornamentais. Esses problemas fitossanitários podem ter origens diversas:

· devido ao grande número de plantas de uma mesma espécie cultivada (monocultura);

· adaptação do agente causador à planta hospedeira;

· grande número de plantas exóticas que “importam” esses agentes.

Esses problemas fitossanitários podem ser resolvidos em casa, utilizando receitas e cuidados simples. Vejamos alguns exemplos para prevenção de pragas e doenças mais comuns:

INSETOS SUGADORES

Pulgões:

De acordo com a intensidade do ataque, a área e a espécie vegetal atingida, os pulgões podem ser eliminados por: jatos de água dirigidos; poda e destruição das partes vegetais mais infestadas; armadilhas adesivas ou bandejas com água e algumas gotas de detergente, utilizando a cor amarela como atrativo para a captura das formas aladas (com asas); pulverização com emulsões de sabão de coco ou detergente neutro; pulverização com extratos vegetais (fumo, pimenta, alho, coentro, piretro, alamanda, croton, tagetes, cinamomo, arruda, urtiga, neem) (1).

Cochonilhas:

Limpeza das partes mais infestadas com esponja ou escova; poda e destruição das partes vegetais mais atacadas; pulverização com emulsões de sabão de coco ou detergente neutro; pulverização com extratos vegetais (fumo); pulverização com óleo mineral miscível a 1% (1) .

Cigarrinhas:

Limpeza com esponja ou escova das partes vegetais atacadas; poda e destruição das partes vegetais infestadas; armadilhas adesivas ou bandejas com água e algumas gotas de detergente, utilizando a cor amarela como atrativo para a captura das formas aladas; pulverização com emulsões de sabão de coco ou detergente neutro; pulverização com extratos vegetais (fumo) (1) .

Percevejos:

Catação manual e destruição dos ovos, ninfas e adultos; armadilhas adesivas ou bandejas com água e algumas gotas de detergente, utilizando a cor amarela como atrativo para a captura dos adultos; pulverização

com emulsões de sabão de coco ou detergente neutro; pulverização com extratos vegetais (fumo) (1) .

INSETOS MASTIGADORES:

Ordem Orthoptera (gafanhotos, grilos, paquinhas):

  • catação manual e destruição (gafanhotos solitários);
  • iscas atrativas envenenadas (paquinhas, grilos) ;
  • farelo de trigo 1,0 kg;
  • inseticida 100,0 g (contato e ingestão);
  • açúcar ou melaço 100,0 g;
  • água 0,5 L

FORMIGAS CORTADEIRAS (saúva e quem-quém):

Pode ser realizado de duas maneiras:

Mecanicamente, retirando-se os ninhos, ainda jovens. Ninhos antigos são muito profundos, tornando inviável sua escavação e remoção. Utilização do “chapéu chinês” (fig. à direita), que consiste em um cone invertido de plástico, com produto repelente de formigas na parte inferior deste cone.

Quimicamente, utilizando-se iscas granuladas, líqüidos termonebulizáveis, gases liqüefeitos ou pós secos (1) .

DOENÇAS (fungos, vírus e bactérias):

As doenças causadas por esses agentes são muito difíceis de serem identificadas, devido ao tamanho microscópico desses organismos.

Pode ser realizada através do uso de fungicidas e bactericidas apropriados para o tipo da doença. Pode ser realizado também a retirada das partes danificadas pela doença (1) .

A seca dos Ramos ( Phomopsis rosae (Schulzer & Sacc.) Trav. & Spessa)  é um exemplo de doença causada por fungo – manifesta-se por um tipo de apodrecimento de coloração marrom que tem início nas partes seccionadas dos ramos podados, e que depois se estendem para as partes inferiores (Figura à direita). Quando esta podridão atinge a haste principal pode causar a morte da planta. Em condições favoráveis ao fungo ele pode produzir picnídios que aparecem como pequenos pontos escuros na superfície dos tecidos das hastes doentes. A eliminação e destruição de órgãos afetados constituem medidas importantes de controle. No Brasil inexistem fungicidas registrados para esta doença. Como a doença é disseminada através de tesoura de poda, a desinfecção em solução de formaldeído ou hipoclorito de sódio pode prevenir o progresso da doença pelo roseiral (1).

Uma das doenças causadas por bactérias é a podridão mole, esta doença se caracteriza pela maceração de tecidos devido à produção, pela bactéria, de enzimas que degradam substâncias pécticas da lamela média e parede celular. Este tipo de sintoma é muito importante durante o armazenamento, no caso de bulbos e rizomas e também em viveiros, durante o desenvolvimento do vegetal (1).

Plantas de amarilis apresentando sintomas de podridão causada por Erwinia chrysanthemi.

As doenças causadas por vírus são os maiores problemas devido à inexistência de produtos capazes de combatê-los. Contudo alguns meios de prevenção podem ser utilizados, como:

· utilizar sementes e material propagativo livres de vírus;

· eliminação de vetores, através de produtos químicos e/ou armadilhas ;

· higienização das mãos, bancadas e ferramentas utilizadas (1).

Flor de Cattleya sp. infectada por Cymbidium mosaic virus (CymMV)
OBSERVAÇÕES SOBRE O CONTROLE

· extratos vegetais e emulsões de sabão ou óleo devem ser pré-testadas, quanto à eficiência de controle e fitotoxicidade, especificamente para cada inseto praga e espécie vegetal.

· pulverizações com soluções e/ou emulsões devem ser efetuadas no período mais fresco do dia, isto é, no final da tarde, para evitar queimaduras pelos raios solares.

· emulsões de sabão ou detergente são utilizadas em concentração ao redor de 3% (3 mL ou g / L H 2 0).

· emulsões de óleo são utilizadas em concentrações ao redor de 1%.

· Calda de Fumo: 400 g de fumo de corda picado + 2 litros de água

· deixar em infusão de água quente, tampado, por 24 horas;

· coar e deixar em banho maria até concentrar em 2 litros ;

· usar na proporção de 1 litro de extrato para 100 litros de água;

· usar, no máximo, no dia seguinte (1).

Fonte:

(1) Instituto Biológico – Secretaria de Agricultura e Abastecimento do Estado de São Paulo. Pragas e doenças em plantas ornamentais. São Paulo, 2001 


 

 

 

 
 
LABORATÓRIO DE PAISAGISMO - CURSO DE ENGENHARIA FLORESTAL - DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS FLORESTAIS - UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ - RUA LOTHÁRIO MEISSNER - N 3.400 - BAIRRO JARDIM BOTÂNICO - CEP 80.210-170 - CURITIBA - PARANÁ - BRASIL