Sérgio Valiengo Valeri

Exportação de Biomassa e Nutrientes de Povoamentos de Pinus taeda L. Desbastados em Diferentes Idades

Resumo:

Três povoamentos de Pinus taeda L., por ocasião do 19, 29 e 39 desbaste, com 1, 10 e 14 anos de idade, respectivamen­te, foram amostrados no período de junho a setembro de 1985 para determinar o peso de matéria seca e de nutrientes dos componentes da parte aérea das árvores retiradas e remanescen­tes e dos componentes da manta orgânica florestal (horizonte orgânico). Foram abatidas 51, 39 e 25 árvores nos povoamentos de 19, 29 e 39 desbaste, respectivamente, abrangendo toda a va­riação do diâmetro a altura do peito (DAP) das árvores. Foram desenvolvidas equações de regressão em função do DAP para es­timar o peso de matéria seca dos componentes vivos das árvo­res. Sob o povoamento de 19 desbaste, foram utilizadas 60 parcelas de 0,25 m , distribuídas ao acaso, para amostrar a manta orgânica. Em cada um dos demais povoamentos foram uti­lizadas 180 parcelas, Antes dos desbastes, nos povoamentos de 7, 10 e 14 anos, que apresentaram 2.062, 1.240 e 731 arvores/ha, foram estimadas 72,7, 145,9 e 183,8 t/ha de biomassa da parte aérea das árvores, respectivamente. Os pesos de nutrientes da bio­massa da parte aérea oscilaram entre 413 g/ha de Cu no povoa­mento de 7 anos até 422,5 kg/ha de N no povoamento de 14 anos. Os pesos de biomassa da manta orgânica foram de 7,7, 19,7 e 24,3 t/ha, respectivamente nos povoamentos de 7, 10 e 14 anos. Os pesos de nutrientes da manta orgânica variaram de 34 g/ha de Cu no povoamento de 7 anos a 185 kg/ha de N no po­voamento de 14 anos. As exportações de biomassa, com a retirada da madeira e casca do fuste de 38,4, 40,7 e 39,3% das árvores existen­tes, respectivamente no 19, 29 e 39 desbaste, foram de 11, 36 e 49 t/ha, equivalentes a 14, 22 e 24% do peso total da bio- màësa estimada acima do solo mineral. Juntamente com a reti­rada da madeira e casca dos talhões, foram exportados desde 50 g/ha de Cu no 19 desbaste ate 58,3 kg/ha de N no 39 des­baste.Os ramos e acículas, como resíduos da operação de des­baste, pesaram cerca de 7, 10 e 12 t/ha, equivalentes a 9, 7 e 5% do peso total de biomassa estimada acima do solo mineral nos povoamentos de 1°, 29 e 39 desbaste, respectivamente. Es­tes resíduos apresentaram desde 2% de Fe ate 16% de N e K, em re­lação ao peso total estimado acima do solo mineral. A perma­nência destes resíduos no sistema florestal ê de grande impor­tância para a ciclagem dos nutrientes, principalmente para a do K.